quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Eu FUI um missionário

Muita gente fala que 2016 foi um ano muito ruim, mas na minha vida, particularmente, foi um dos melhores anos. Aconteceram coisas tão boas, quando eu não tinha nem expectativas, parecia que elas me perseguiam. Contudo, algumas coisas mudaram, na verdade, eu mudei. Eu comecei a olhar as coisas de maneira diferente, coisas que eu cria, coisas que eu via, coisas que eu fazia, mas que se tornaram sem sentido.

A igreja é uma das principais coisas, não quero generalizar, até porque, não sou capaz de opinar dessa maneira, mas acho que a igreja tinha tudo pra ser algo muito bom pra a sociedade, até mesmo acho que era essa a vontade de Deus, entretanto ela se tornou um lugar, um clube social, onde as pessoas se reúnem para fins de seu próprio interesse e para realizar seus rituais religiosos.

Muitas pessoas dizem que uma vez que você é missionário, você é missionário para sempre, pois o que faz de você um missionário é o chamado de Deus. Eu penso de maneira diferente, o que faz de alguém um missionário é justamente o exercício da função. Com tudo isso, eu hoje estou dizendo: eu fui um missionário! O que não impede que um dia eu volte a ser, mas hoje eu não desempenho esse trabalho, outra coisa que está desfigurada. Hoje, a igreja quer números, o missionário tem que levar vidas ao reino, e pessoas são convertidas em números. Isso faz com que se deixe de lado a ajuda ao próximo, o amor e diversas ações que representam aquilo que a própria bíblia diz como mandamento.

Mas, olha, eu creio muito em Deus, mas não esse deus maldoso que as pessoas tão pregando, um Deus de amor, que dá liberdade às pessoas pra fazer o que elas quiserem e não obriga ninguém a seguir nada, que se importa com coisas pequenas, como atos de solidariedade e não está nem ai pra a religiosidade estampada sobre um tecido de hipocrisia.

Falando nisso, percebi que tudo isso me tornou uma pessoa hipócrita, que não demonstra ser realmente quem é, nem expõe aquilo que gosta, pra preservar uma imagem religiosa. Por isso, percebi que a minha versão mais verdadeira é a que está em meus pensamentos.

Hoje, tudo que eu quero é ser uma pessoa melhor e mais transparente, acho que isso é o suficiente.

Acho que não tenho mais nada a dizer...


Até mais!

domingo, 27 de novembro de 2016

Os Tão Legais

Já fiz canções de amizade
Com intenção de amor romântico
Agora faço poesia de quase verdade
Com medo de generalizar um cântico

O nome do grupo eu que coloquei
Algo que a princípio foi sem intenção
Com o ar mais espontâneo falei
Uma besta e inesquecível exclamação

Formamos um quarteto quase infalível
Pra comer com religiosos rituais
Nosso miojo com leite imbatível
Brigadeiros e pizzas que eram sempre iguais

Mil novecentos e noventa e quatro
E cinco, e seis e sete
A vaca, a minhoca, a esquila e o rato
(É porquinho da índia, mas ninguém se mete)

Somos pessoas bem diferentes
Não é por isso que a gente às vezes briga
Até porque depois a gente se entende
E até canta junto "Amor de Rapariga"

Iago pertence ao gênero masculino
Não coloque sobre isso um olhar crítico
Pois Julia e Fernanda são do feminino
E a Liris, é claro, é do gênero lírico

Fomos unidos pela eletrotécnica
Eu fui pra letras, mas não faz mal
Terei duas amigas arquitetas
E uma engenheira ambiental

Cantores no ônibus sentados no fundo
Nós nem queremos rótulos de normais
Pois mesmo que agora se exploda o mundo
Para sempre seremos Os Tão Legais!

Iago Espindula de Carvalho

Colocando essa foto porque não achei a do ônibus
<3

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

YouTube

Quanto tempo, heim?
Eu vim aqui pra dizer que eu tenho uns videozinhos no YouTube. A qualidade é horrível, mas quem sabe um dia melhora? Seria lindo se desse pra ficar famoso, até porque tem um bocado de porcaria por ai que faz sucesso, mas enquanto isso não rola, eu volto pra a realidade e faço isso por diversão mesmo. Seguem uns vídeos bacanas,,,

Amo essa música <3


Essa é de crente.


Essa é de incentivo à vida


Essa que é um amorzinho!

É isso gente, espero que gostem.
Até mais!

domingo, 17 de julho de 2016

Caminho (substantivo)

Foi chegando nessa bifurcação que me dei conta, estou nele. Como lidar com essa situação, sabendo que devo escolher por qual caminho seguir daqui por diante? A palavra final é minha. Será que é assim mesmo? As inúmeras palavras até chegar a uma conclusão não são exclusivamente minhas, isso é indiscutível. Afinal todos os outros habitantes dessa terra são sábios o suficiente pra saber qual o melhor caminho para eles e como se não fosse o bastante, se sentem dotados de uma assombrosa sabedoria ao ponto de afirmar com convicção, para qual lado eu devo caminhar. Parece ser demasiado, mas tem mais: essa é vontade do Soberano para minha vida. Às vezes analiso isso e me parece uma redundância. Seres um tanto contraditórios entre si, contudo especialistas em gerar confusão em cabeças sem nem ao menos terem essa intenção.
Porque normalmente somos ensinados assim: O burro é aquele que se equivoca uma vez e da mesma maneira volta ao mesmo equivoco. O inteligente é o que erra e não volta a errar igual, pois este aprendeu com o primeiro erro e sabe como fazer para não cair naquele buraco que está bem no meio da estrada. Já o sábio, é aquela pessoinha notável, que viu o erro alheio e obviamente, jamais irá tropeçar naquela famosa pedra no meio do caminho que já deu tanto o que falar. Tenho minhas dúvidas quanto a estes, e em verdade, não concordo plenamente com nenhum. Porque eu tenho pés, e como eles são lindos! Inclusive há quem diga que eles precisam de sapatos novos. E voltando ao caminho... não sei se isso é algo normal a todos, mas é muita gente querendo dar os passos com meus pés, gente que nasceu pra ser centopeia.

Talvez as coisas sejam bem mais simples do que as tornamos. Será que eu posso estar no caminho certo independente do lado que eu escolher seguir? Não penso que seja um princípio de ceticismo em mim, contudo sei onde está escrito o que é certo ou errado e isso a meu ver, já é suficiente para entender muita coisa. Em outras palavras, qualquer caminho que eu escolha seguir será correto, se eu estando nele, caminhar de maneira justa. Para que quebrar mais a cabeça com isso? O caminho é aquele que me conduzirá a caminhar mais. E que venham as próximas escolhas, porque enquanto existirem bifurcações ou qualquer quantidade de possibilidades pra escolher, haverá vida nessa terra e vice-versa.